Além do Físico

"Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia"

Pesquisar





 Alguns de vocês devem ter assistido no Fantástico a nova série, Phantasmagoria. Nesse post, pretendo dar minha opinião quanto ao teor do programa no ponto de vista esotérico e esclarecer especialmente a questão dos fantasmas.

Logo de cara qualquer entusiasta espiritual se decepciona com a série e vê que ela não passa de um besteirol sensacionalista, mas com boa vontade continua a assistir. O modo como é tratado o sobrenatural corresponde à mentalidade superficial e tola dos americanos, com suas histórias de fantasmas urbanos e brincadeira do copo. Para nós brasileiros, que temos uma vivência espiritualista muito maior e influenciada pelas religiões como o Espiritismo, a Umbanda e o Candomblé, aquilo não passa de brincadeira sem graça e talvez, de mal gosto. Vamos analisar a questão de assombrações. Utilizarei-me como texto base trechos do livro de Dion Fortune - Autodefesa Psíquica, que estão em azul.

"Existem duas formas de "assombração" que cumpre considerar: uma, que se deve a uma alma desencarnada que interfere numa pessoa particular, e outra, que se deve às condições predominantes dum lugar particular e que afeta qualquer pessoa suficientemente sensível que nele se encontre. Exceto nos casos em que a influência é excepcionalmente forte, a pessoa insensível é imune. Para perceber uma "assombração", o indivíduo deve ser, como regra geral, ligeiramente sensitivo; é por essa razão que as crianças, os celtas e as raças de cor sofrem intensamente essas interferências, e o impassível tipo nórdico é comparativamente imune, e, numa extensão menor, o tipo latino alegre, materialista e cético."
Ou seja, para que a experiência do Fantástico funcione, deve realmente existir uma assombração e pelo menos um dos participantes precisa ser médium latente. No entanto, mesmo alguém sensível não vê fantasmas se não tem uma vidência plenamente desenvolvida. A vista de vultos é relativamente comum e frequente com muitas pessoas, mas depende de um estado de relaxamento e distração que fazem com que seu duplo-etérico tenha se expandido além dos limites de seu corpo, e dadas as condições do espírito, ela pudesse vê-lo momentaneamente. Mas logo que isso acontece, ela toma um susto, sofre uma descarga de adrenalina e seu duplo-etérico fica totalmente acoplado ao corpo, para possibilitar-lhe uma fuga ou reação. Durante o programa, os voluntários estão com medo, sob pressão e com todos os sentidos físicos alertas, diminuindo quase completamente as chances de contato com o astral.

"Não é fácil determinar se o distúrbio se deve apenas à atmosfera, ou se uma entidade apegada à terra complica a situação. Onde uma entidade está presente, ela será comumente vista, mais cedo ou mais tarde. Além disso, poderemos amiúde ouvi-la e senti-la. Este último sinal, contudo, não indica invariavelmente a presença de uma entidade organizada, pois sei de um caso em que uma sala que havia sido utilizada como loja de iniciação ritual foi posteriormente dividida em um escritório e dois quartos após a loja ter sido transferida para outro lugar, e os quartos ficaram praticamente inabitáveis devido ao barulho de estalidos, pancadas e golpes que se manifestavam à noite. Nesse caso, não havia razão alguma para se suspeitar da presença de qualquer entidade; pois os rituais não eram do tipo evocativo, nem era a influência má. Tratava-se simplesmente de força em estado de tensão. Era apenas barulho físico que causava o distúrbio,
como posso testemunhar, pois eu dormi, ou melhor, tentei dormir no local."
Pois bem, caso à manifestação se deva a uma entidade apegada à uma pessoa, ou seja, uma obsessão, os sintomas só serão sentidos por ela, ou por sensitivos de alto grau. A entidade vai acompanhar a pessoa e produzir os fenômenos aonde quer que ela esteja, sendo que para efeitos físicos, o ectoplasma geralmente é originado pela própria vítima. As casas assombradas genuínas fazem parte da primeira categoria: distúrbios psíquicos na atmosfera do local (akasha), e são resultado de descargas energéticas potentes, geradas por emoções e conflitos humanos. O resultado pode ser uma cópia etérica dos acontecimentos, ou a formação de larvas astrais.
Ainda assim, os fenômenos psíquicos são sempre subjetivos e a sua percepção varia de pessoa para pessoa. Podemos ver assombrações da forma como imaginamos que sejam e cada um é sensível de um modo particular.  

"Onde um fantasma é visto, ele também é comumente ouvido, pois para que uma forma seja suficientemente substancial a ponto de tornar-se visível deve haver pelo menos uma quantidade módica de ectoplasma em
sua composição, e o ectoplasma é capaz de exercer força sobre o plano físico, pelo menos em algum grau. Onde um fantasma é visto e ouvido, podemos estar seguros de que há uma assombração real. Onde ele é visto, mas não ouvido, é possível que uma pessoa com tendências psíquicas esteja percebendo imagens do éter refletor, a chapa fotográfica da Natureza, e pode não haver nenhuma entidade real presente. Onde o distúrbio é ouvido, mas não visto, ele pode ser causado pelas forças astrais postas em movimento pela magia ritual, e que continuam por um espaço de tempo após o impulso original se ter retirado. Essas forças podem ser perfeitamente inofensivas, causando apenas a mesma perturbação do sono que uma janela que bate à noite. No entanto, se poderosos rituais evocativos foram realizados, e se a purificação da esfera não foi executada de modo rigoroso, distúrbios profundos podem ocorrer, assumindo toda a situação um caráter extremamente desagradável."

Médium exalando ectoplasma.
 Destaco a necessidade de ectoplasma em quantidade suficiente para a manifestação de uma entidade. A tentativa de gravar e filmar assombrações é completamente inútil sem a presença de médiuns que produzam ectoplasma. Entendam ectoplasma como uma variação da energia vital, o prana, que passa a agregar compostos orgânicos produzidos pelo metabolismo da pessoa, tornando-se uma energia densa a ponto de ser perceptível aos sentidos físicos e altamente plástica, possibilitando a sua manipulação pelos espíritos. A sua liberação, na maioria das vezes, acontece naturalmente e de forma imperceptível para a pessoa que o gerou.
Então, a não ser que a assombração se materialize, a sua percepção visual só acontece num nível de vibração óptica inacessível à maioria das pessoas e aparelhos físicos. O mesmo vale para a "brincadeira do copo", que originalmente é um método de evocação mágica conhecido por Tábua Ouija. Ela realmente pode abrir um portal para a manifestação do astral, mas como foi dito pela representante da FEB, geralmente só atrai espíritos zombeteiros que não produzirão nenhuma comunicação proveitosa, a qual também depende de um mínimo de geração de ectoplasma para mover o copo.
Em relação à carga produzida por rituais, posso testemunhar por experiência própria que ela pode produzir fenômenos físicos. Em três ocasiões diferentes, lâmpadas queimaram na minha casa logo depois da execução de rituais que não tinham qualquer aspecto evocatório e em outra ocasião, causou grande mal estar numa pessoa da família que é totalmente avessa às egrégoras de magia e bruxaria.
Em rituais evocatórios, os efeitos podem ser muito piores se não for feito um banimento após a operação. Também já testemunhei isso: a carga energética depositou-se nas cadeiras que estavam no local e pessoas que nem desconfiavam do ocorrido queixaram-se de que alguém estava com o pé em cima delas ou que estavam muito pesadas. Depois disso, as pessoas presentes no ritual relataram insônia ou pesadelo. Continuamos com as operações até que os distúrbios começaram a ser ativamente nocivos e fugiram ao nosso controle, obrigando-nos a parar.
Mais particularidades poderiam ser acrescentadas, pois este tema é farto para dissertação e debate. Espero então que perguntem e comentem, deem a sua opinião sobre fantasmas, assombrações e "Phantasmagoria". Até a próxima.


2 comentários:

Olá! Ótimo post. Mas eu pesquisei sobre o ectoplasma, feito por cháckras e tal.
E eu vi um site que dizia sobre a combustão espontanea humana.
http://www.nefreiki.com/2012/05/combustao-humana-espontanea-atraves-do.html
e eu queria que vc me explicasse direito, talvez eu tenha intendido errado rrs.

Eu li o texto que você me mandou, que aliás também é muito interessante. Não entendi a sua confusão. O meu texto e este daí não se contradizem, muito pelo contrário.
O ectoplasma é responsável por todos os fenômenos mediúnicos da categoria física, inclusive a Combustão Humana Expontânea, segundo tal teoria.
Eu arriscaria também outro palpite: o ectoplasma é uma energia que permite a materialização de seres do astral e do etérico em nossa dimensão física. Talvez as salamandras fossem responsáveis por esses incidentes, elas são conhecidas por serem bem irritáveis. Ou talvez resquicios de invocação mágica.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Advertência

O uso das técnicas, rituais e conhecimentos adquiridos no Além do Físico é de responsabilidade única e exclusivamente sua, caro leitor. Não me responsabilizo, em nenhum nível, pela má utilização de tais ferramentas mágicas e espirituais.

Quem sou eu

Minha foto
Faço Psicologia na USP, tenho 22 anos, sou bruxo, magista e médium, sempre em busca das verdades espirituais. Encontro prazer imenso na leitura, que nos possibilita viajar através de dimensões, espaço e tempo num folhear de páginas.

Postagens populares

Seguidores

Visitas

Qual a sua relação com o Mundo Não-Físico?

Google Analytics Alternative