Além do Físico

"Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia"

Pesquisar





A iniciação é um processo pelo qual um profano morre e um Iniciado nasce e passa a fazer parte um grupo, ordem ou sociedade secreta. Além de ser um rito de passagem extremamente simbólico e com grandes implicações psicológicas, há aspectos esotéricos por trás deste processo.
Uma Iniciação, por padrão, serve para conectar uma pessoa à egrégora (conjunto energético formado por formas-pensamento e cargas emocionais) de um grupo e alinhá-lo com as correntes de energia as quais esta faz parte, a partir de um juramento. Qualquer iniciação fará isso, mesmo que o grupo não tenha quaisquer ambições mágicas ou esotéricas (Iniciação nos Mistérios Menores). “A união faz a força” tanto no plano físico, quanto nos planos sutis. Um grupo é sempre mais forte do que um individuo solitário.

As iniciações nas pirâmides egípcias eram incríveis. A arquitetura da pirâmide proporcionava uma ressonância energética que induzia o candidato à uma projeção astral - a sensação era de estar balançando na Barca de Ísis. Projetado, ele encontrava com os próprios deuses (os Iniciadores modelavam seus corpos astrais na forma de deuses), que o iniciavam.
 Quando o grupo ou a ordem é versada nos conhecimentos ocultos, a Iniciação fará isso e muito mais (Iniciação nos Mistérios Maiores). A egrégora torna-se um manancial de poder alimentado por cada membro e acessível aos iniciados como fonte de energia para rituais e atos mágicos. Ela será muito mais definida do que uma egrégora comum, tornar-se-á também um sistema de conexão e proteção psíquica para os seus membros.
Ordens pouco nobres, sabendo disso, iniciam pessoas à rodo, para utilizarem-nas como bateria psíquica para a egrégora, que então alimentará os rituais dos verdadeiros Iniciados. Pessoas iniciadas em vidas passadas, podem sofrer certos distúrbios por estarem sendo vampirizadas até hoje. 
A Iniciação marca a pessoa a nível astral com um selo, um símbolo que o conecta à egrégora, dá-lhe acesso aos seus registros akáshicos e o faz ser reconhecido pelos Guardiões da ordem como membro, dispondo de seus favores e proteção.
Isso não ocorre só em sociedades secretas. Os sacramentos católicos funcionam por processo semelhante. O batismo marca um novo cristão com um selo, o qual será reforçado posteriormente na Primeira Eucaristia e na Crisma. As outras religiões também têm o seu selo.
A famosa "Marca do Diabo" que a Inquisição tanto procurava no corpo de acusados de bruxaria, provavelmente era uma marca astral.

O selo também pode transferir certos poderes ao Iniciado, como a utilização de Palavras de Poder, que retiram energia instantaneamente da egrégora para realizar a Vontade do magista.

Especificamente na Bruxaria (de forma generalizada, cada tradição pode apresentar diferenças consideráveis), a Iniciação confere um selo específico da tradição e ativa certos canais de energia na aura, nadís, que serão importantes para o trabalho mágico do bruxo. A Iniciação de 1° grau ativa a Corrente da Deusa, OB, o nadi Idã, lunar. A Iniciação de 2° grau ativa a Corrente do Deus, OD, o nadi Pingalã, solar. E a Iniciação de 3° grau ativa o nadi central, Sushumma, neutro. Além disso, cada iniciação confere ao bruxo um selo e uma hierarquia espiritual, por exemplo, o círculo só pode ser traçado com uma espada por um iniciado de 2° ou 3° grau, pois envolve processos de manipulação energética mais complexos do que traçar com o athame.
No Grande Rito, o Alto Sacerdote e a Alta Sacerdotisa (iniciados de 3° grau) “recebem” o Deus e a Deusa, literalmente, através de Pingalã e Idã, unindo as duas polaridades e despertando a energia Kundalini, que sobe pelo Sushumma. É um dos ritos mais poderosos da Bruxaria.
O(s) selo(s) também dão acesso aos Portais Elementais abertos durante o traçado do Círculo, regidos pelos Guardiões, também conhecidos como Grigori. Eles julgam se o propósito de um ritual é nobre ou não,  e se for, dão acesso às poderosas energias elementais, e depois ajudam a direcionar a carga mágica rumo à manifestação. 

O Caduceu é uma representação símbólica dos nadis. AOUR representa o que é manifesto no equilíbrio dessas duas correntes, OB (lunar) e OD (solar).
 
O selo persiste após a morte e um Iniciado reencarnado pode reativar o seu selo se encontrar condições adequadas, se for colocado num contexto que permita o seu Despertar. Assim, a auto-iniciação só tem chance de funcionar se a pessoa já foi bruxa em vida passada e conseguir, com uma ajuda dos Deuses, reativar os seus selos e nadis. Não é coisa que qualquer entusiasta inexperiente consiga fazer com um ritual de internet.

Um Iniciado é uma pessoa com grandes responsabilidades e presa a juramentos muito específicos. Não pode usar seus conhecimentos e poderes levianamente e nem revelar qualquer segredo da ordem na qual foi iniciada. Todo o material que passei para vocês, embora raro, é de conhecimento público.


Vou contar uma experiência pessoal sobre o funcionamento do selo. Fui iniciado em certa ordem sem objetivos ocultistas, mas que seguia uma ritualística bem fundamentada e obviamente tinha um selo, embora ninguém soubesse. Depois de algum tempo, decidi deixar de frequentar as reuniões, que aconteciam quinzenalmente sempre no mesmo dia da semana (a persistência de uma ocorrência sempre na mesma data facilita a formação e manutenção de uma egrégora). Comecei a perceber um mal estar sempre naquele dia da semana, sem causa provável. Pensei em influências planetárias ou espirituais, mas cheguei à conclusão de que era um chamado, não muito gentil, da egrégora, para que eu voltasse à “alimentá-la”, frequentando as reuniões. Fui dormir pensando nessa hipótese e na possibilidade de romper essa ligação com a quebra do selo, coisa que eu não sabia ser possível. Tive um sonho que foi muito esclarecedor: eu encontrava um dos mestres daquela ordem no templo e ele formalmente me destituía da condição de iniciado. Conclusão: deixei de sentir aqueles sintomas. Provavelmente isso aconteceu de fato, no astral. 
Mas ainda não sei se uma iniciação pode ser desfeita. Na Apometria, quando um mago negro desencarnado se nega a desfazer o mal a uma pessoa e não se abre ao diálogo, os médiuns podem invalidar a sua iniciação para acabar com o seu poder e levá-lo a se redimir. Mas não tenho maior conhecimento disto.
E até onde pude ver com minha visão psíquica, tenho outros selos de vidas passadas, mas que permanecem um mistério para mim.

Vocês podem encontrar um panorama bem detalhado da Iniciação na Bruxaria no livro de Gerald Gardner (assinado com o pseudônimo 'Scire'), "Com o auxílio da Alta Magia", uma ficção com vários elementos da bruxaria antiga, muitíssimo interessante.

Leia também: O Caduceu de Hermes - chacras, sexualidade e correntes de energia 

Aguardo suas dúvidas e opiniões nos comentários ou através do link de Contato.

Hudson de Pádua Lima

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Advertência

O uso das técnicas, rituais e conhecimentos adquiridos no Além do Físico é de responsabilidade única e exclusivamente sua, caro leitor. Não me responsabilizo, em nenhum nível, pela má utilização de tais ferramentas mágicas e espirituais.

Quem sou eu

Minha foto
Faço Psicologia na USP, tenho 22 anos, sou bruxo, magista e médium, sempre em busca das verdades espirituais. Encontro prazer imenso na leitura, que nos possibilita viajar através de dimensões, espaço e tempo num folhear de páginas.

Postagens populares

Seguidores

Visitas

Qual a sua relação com o Mundo Não-Físico?

Google Analytics Alternative