Além do Físico

"Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia"

Pesquisar





Existem duas correntes (ou canais) de energia na entidade humana. Essas correntes estão associadas ao sistema nervoso central e à medula espinhal. Podemos nos referir a essas correntes como Lunar e Solar, ou Feminina e Masculina (receptiva/negativa e ativa/positiva). Essas polari­dades indicam energias bioeletromagnéticas e não se referem aos sexos. As correntes Lunar e Solar se manifestam no corpo como os ramos esquerdo e direito das estruturas nervosas dos gânglios. O lado esquer­do é feminino/lunar e o direito é masculino/solar. Infelizmente, por séculos a sexualidade tem evocado sentimentos de culpa e vergonha, graças em grande parte à moralidade judaico-cristã. Essa mentalidade serviu para negar (na maioria das pessoas) a função natural das correntes lunar e solar. Uma das metas da magia sexual é libertar a expressão da sexualidade dos sentimentos inibitórios e negativos. Uma vez atingida essa meta, pode-se restaurar a harmonia dessas correntes.

A Corrente do Deus e Corrente da Deusa se originam no Centro Básico ou Centro de Energia (base da coluna), cruzando-se no Centro do Coração e no Centro Psíquico ou Frontal. 


A Corrente do Deus é positiva e ativa no plano físico e mental e negativa e receptiva no plano psíquico e espiritual, é solar e representa a corrente nervosa do lado direito da coluna vertebral. Já a Corrente da Deusa é negativa e receptiva no plano físico e mental e positiva e ativa no plano psíquico e espiritual, sendo regida pela Lua e representa a corrente nervosa do lado esquerdo da coluna vertebral. Podemos compreender assim o motivo das mulheres serem muito mais psíquicas e espirituais que os homens, havendo muito mais mulheres que homens na maioria dos covens.


O perfeito equilíbrio entre as duas correntes influi na secreção das glândulas endocrinas, que estão associadas aos oito principais Centros de Poder. Na realidade, o bom funcionamento desses centros proporciona um bom funcionamento dessas glândulas, o que nos mostra que a grande maioria das doenças que nos assalta é proveniente de distúrbios energéticos, podendo ser tratadas facilmente pela medicina alternativa e resolvidas sem efeitos colaterais.

Na pessoa comum, atualmente, apenas uma das correntes de ener­gia está aberta e fluindo. A contra-corrente está normalmente inibida e suprimida, gerando desarmonia (des-conforto) no corpo físico. Isso tam­bém causa uma influência negativa no equilíbrio endócrino. Na mulher não treinada, apenas a corrente lunar flui desimpedida, e no homem não treinado apenas a corrente solar está realmente livre. No caso dos homossexuais, essa situação está invertida. O fluxo harmonioso das cor­rentes no corpo é simbolizado pelo antigo símbolo do Caduceu. Esse estado natural elimina a desarmonia (des-conforto) no corpo, e é por isso que o Caduceu simboliza a saúde em nossa sociedade atual.



Nos Ensinamentos Misteriosos, o estado sexual natural é o da bissexualidade, em que ambas as correntes fluem juntas e em harmonia. A alma que habita o corpo físico não é masculina nem feminina, portanto nosso sexo é meramente uma circunstância da dimensão física. A atitude que demonstramos acerca da polaridade dos sexos na qual nossas almas residem é moldada em grande parte pelo nosso meio social. Devemos ter em mente, no entanto, que o sexo pode ser uma manifestação do Karma da alma individual.


O Caduceu Mágico de Hermes e o magnetismo mágico


No Ocultismo Ocidental, a polaridade masculina é positiva-ativa nos planos físico e mental, e negativa-receptiva nos planos psíquico e espiritual. A polaridade feminina é negativa-receptiva nos planos físico e mental, e positiva-ativa nos planos psíquico e espiritual. As genitálias femininas são magnéticas, lunares e receptivas. As genitálias masculinas são elétricas, solares e ativas. Em ambos os sexos, a mão direita é solar, ativa e elétrica. A mão esquerda é lunar, receptiva e magnética. Daí o porquê de, durante rituais, sempre recebermos com a mão esquerda e enviarmos com a mão direita.

Todas as criaturas vivas emitem uma energia que pode ser chamada de campo biomagnético. A interação dos quatro elementos cria uma matriz astral que conecta a alma ao corpo físico. A terra elemental ali­menta a alma e preserva sua vitalidade, o ar fornece equilíbrio e harmo­nia, o fogo contribui com o que é construtivo para a alma e a água anima.


Sem essa energia, a alma não poderia residir na matéria física por muito tempo. Essa energia biomagnética é também o que atrai a alma de volta ao corpo em casos de projeção astral.

A energia metafísica do magnetismo mágico é melhor ilustra­da pelo glifo do Caduceu Mágico de Hermes. Nesse símbolo, a polaridade das forças do magnetismo mágico é representada pelas correntes OB e OD. OB é a corrente lunar; OD, a solar. AOUR representa o que é manifesto no equilíbrio dessas duas correntes, o fogo da polaridade quando OB e OD coexistem harmoniosamente. O segredo do magnetismo na magia repousa no perfeito equilíbrio que se manisfesta como a força criativa de AOUR.

Quando contextualizado com as técnicas da magia sexual, o AOUR simboliza a coluna vertebral, enquanto OB e OD representam as cor­rentes nervosas esquerda e direita ao lado dela, as quais influem na secreção das glândulas endócrinas. Quando ativadas, essas correntes mágicas liberam o poder da serpente que reside na base da espinha. Isso desperta esse centro de poder, o qual reage ao impulsionar uma corrente de energia para cima, ao longo de OB e OD. Isso resulta na manifestação da chama que arde em AOUR (a consciência despertada).


FONTES: Os Mistérios Wiccanos - Raven Grimassi
Wicca Gardneriana - Mario Martinez

Pessoal, este é o 100° post do Além do Físico! Ultimamente não tenho atualizado o blog com frequencia e peço desculpas aos leitores, a vida profana é um saco, hehehe. Num fórum de Bruxaria, uma pessoa perguntou como entrar em contato com uma pessoa, sem ter meios físicos para fazê-lo, então lembrei de algumas técnicas que eu tinha salvado há um tempo atrás, e é bom que conheçam, para emergências! São formas variadas de telepatia, e todas envolvem a visualização do destinatário e um meio de condução para a mensagem.
Antes de executar qualquer uma destas técnicas, é essencial que se observe os procedimentos mágicos básicos: ligar-se com a Terra, ativar seus chacras e entrar em transe (alfa).

Comunicação através do vento

Ao ar livre, volte-se para a direção na qual a pessoa esteja. Se não souber, repita esse procedimento em cada direção, começando pelo Norte.
Estenda seus braços e mãos e, numa voz clara mas suave, chame a pessoa pelo nome.
Visualize sua figura. Chame-a pelo nome novamente, com mais força, e em seguida uma vez mais, bem alto.
A seguir, diga sua mensagem como se estivesse falando pessoalmente. A mensagem deve ser curta e precisa. Ao terminar, escute a resposta. Não a imagine, apenas ouça.
Isso funciona melhor à medida que se pratica, ou com amigos intimamente próximos.

Comunicação através do fogo

Escreva uma carta para um amigo distante como se fosse realmente postá-la. A seguir, acenda um fogo ardente e atire nele a carta, visualizando com firmeza o rosto da pessoa. Você receberá uma resposta.

Para comunicar-se com alguém no mar

Encha um vaso grande de cristal com água do mar (água com sal marinho quebra o galho). Coloque-o na areia e, sentado diante dele, erga suas mãos, com as palmas para baixo, sobre a superfície da água, visualizando claramente o rosto da pessoa. Tire suas mãos e escreva com sua imaginação sua mensagem na superfície da água. A seguir, jogue a água no mar. Este encantamento levará sua mensagem à pessoa que está no mar.

Comunicação através de pedras

Numa pedra de alta vibração (na dúvida, use o quartzo transparente ou experimente com a pedra que estiver disponível), marque sua mensagem com giz ou carvão (ou simplesmente, grave a mensagem diretamente na memória psíquica do cristal). Enterre bem fundo na terra enquanto visualiza o rosto da pessoa, e sua mensagem será enviada.

Comunicação através de árvores
Escolha uma árvore, de preferência alta e antiga. Abrace-a, faça contato energético e espere para ver se é bem recebido. Se for, diga a mensagem para a árvore; visualize que ela é conduzida pelas raízes e chega até as raízes da árvore mais próxima a pessoa que se deseja contatar.

Comunicação através de uma forma-pensamento
Esta técnica é mais complexa, mas permite enviar mensagens mais complexas, acompanhadas de sensações e sentimentos.
Após fazer a sua ligação com a Terra e ativar todos os chacras com a energia telúrica (tenha certeza de energizá-los e abrí-los bem para essa técnica), entre num estado alterado de consciência, relaxado e concentrado.
Respire regularmente (procure pelo post sobre Respiração), absorvendo o prana do ar e aquietando a sua mente.
Direcione sua atenção para o chacra do plexo solar, e faça-o brilhar e girar intensamente. Será por ele que você exteriorizará a energia para criar a forma-pensamento.Visualize uma densa "fumaça" amarela saindo desse centro de energia e pairando no ar à sua frente. Continue a respirar ritmicamente, acelerando a exteriorização de energia. Você poderá sentir uma sensação de puxão na barriga, calor ou frio, formigamento e pressão.
Quando estes sintomas forem perceptíveis, você saberá que já reuniu uma quantidade suficiente de energia. Caso não sinta nada, continue com o processo por uns 5 minutos.
Agora, dê "vida" à forma pensamento, fazendo com que ela brilhe. Forme uma imagem mental do indivíduo destinatário da mensagem, lembre de sua personalidade e traços. Então, grave a mensagem na forma-pensamento (você pode dizer em voz alta, ou criar uma imagem que representa aquilo que deseja expressar; no caso de um sentimento, explore a cor da esfera, sua textura, temperatura...).
Programe a forma-pensamento para transmitir a mensagem e voltar para você com informações sobre o estado da pessoa, estipule um tempo máximo para fazer o trajeto. Quando ela voltar, você sentirá um arrepio, uma presença invisível que pode estar acompanhada das mais diversas sensações.
Sente-se, relaxe e absorva forma-pensamento pelo plexo solar. Observe quais as sensações que você tem.

Formas de comunicação avançadas

Bruxos, magos e praticantes de meditação mais experientes podem valer-se de outros métodos de comunicação. A viagem astral, entre variadíssimos recursos que oferece, possibilita o envio de mensagens, e mais do que isso, você pode visitar o indívuo pessoalmente (em corpo astral é claro) e ele poderá sentí-lo e talvez vê-lo, se for sensitivo.
Outro método é usar o guardião pessoal - seu animal totem, demônio pessoal, familiar, ou quaisquer variações. Instrua-a de modo semelhante ao que programou a forma-pensamento.
Ainda há a possibilidade de usar cristalomancia, que funciona como uma TV psíquica. Você "sintoniza" a pessoa e a verá onde ela estiver, se ela for psiquicamente sensível, pode fazer contato com você.
Não postarei estas técnicas avançadas porque não servem para situações de emergência, são dominadas a longo prazo e estão disponíveis em várias fontes.

Recomendações e considerações...
Nunca utilize métodos de comunicação psíquica para enviar mensagens agressivas à inimigos, ou "encostos energéticos". Não envie mensagens sem identificação, aliás, isso seria burrice! Outra regra importante é que você nunca deve dizer ou praticar algo, em transe, que não esteja preparada para dizer ou praticar fisicamente. 
Não se esqueça dos códigos de segurança psíquica quando enviar mensagens, utilize os métodos com que estiver habituado.
E se não funcionar? Mensagens psíquicas são subjetivas e dependem de três coisas: o seu empenho energético, o domínio da técnica e a sensibilidade psíquica do destinatário. Pratique muito, e no começo, combine com um amigo um horário e mande a mensagem. Depois, ligue para ele e veja o que ele recebeu.

Se por acaso, um remoto acaso, alguém estiver lhe enviando mensagens psíquicas indesejáveis ou sondando a sua mente, use esta técnica:

Técnica do bloqueio mental
Quando sentir que sua mente está sendo invadida, ou quando perceber que alguém está tentando ler seus pensamentos, visualize uma densa e impenetrável névoa envolvendo sua cabeça em movimentos rotatórios no sentido widdershins (contrário ao movimento do sol, no hemisfério sul é sentido horário). Observe sua massa escura em constante movimento. Isso definitivamente interromperá qualquer bisbilhotice psíquica, enquanto mantiver a visualização.


 
FONTES DE REFERÊNCIA: A maioria das técnicas são de Scott Cuningham, e Rae Beth também contribuiu com trechos de seu livro, A Bruxa Solitária.

Sempre tive interesse na magia do aniversário, mas nunca encontrei nada específico para ser feito nesta data. Intuitivamente, eu reunia a energia daquele dia numa vela consagrada e fazia um pedido. Mas agora que achei algo mais palpável, compartilho com vocês. O conteúdo a seguir foi extraído do site Teoria da Conspiração, e todos os créditos são do brilhante ocultista brasileiro, Marcelo DelDebbio.
--------------------------------------------------------------

A Origem deste Ritual remota o Antigo Egito. Ele é realizado por magistas em todo o mundo (e imitado praticamente por todas as pessoas do Planeta, sem que estas tenham conhecimento do que poderiam realizar se soubessem o que estão fazendo).
Durante cerca de 15 minutos por ano, o Sol entra em Conjunção Perfeita (zero graus) com o Sol do Mapa de cada pessoa da Terra. Isto ocorre no dia do aniversário de cada um e é o período mais forte do ano para a realização deste ritual de transmutação.

Para ampliar ainda mais o poder do magista para este ritual, neste dia ele reúne seus melhores amigos que, através de presentes (que normalmente são pequenos objetos feitos pelas mãos de quem presenteia, de maneira a serem receptáculos da emanação da Thelema de cada um dos convidados) emprestam sua energia pessoal para que o magista realize uma evocação.
Os presentes funcionam como transmissores da energia daquela pessoa para o magista (objetos ficam impregnados com as intenções de quem os tocam), mas podem ser substituídos por abraços (com intenção magística). O importante é que cada convidado saiba o que está fazendo; que a INTENÇÃO e vontade seja sincera.
No instante da conjuração, imbuído da energia emprestada de TODOS os convidados, o Magista poderá “fazer os seus pedidos” (evocar um Elemental do Fogo que, durante o próximo ano, tentará realizar o desejo expresso pelo magista no melhor de suas habilidades).
Esta conjuração é feita acendendo uma vela (magia do elemento fogo)e expressando o desejo do mago, da maneira tradicional. A vela não deve ser apagada e é removida para o altar ou para algum outro local na residência e deixada queimar até o final.
Após este pedido, o Magista devolve a energia emprestada aos convidados, através do verbo (sopro), para o bolo ou pão que será repartido entre eles (é a origem das comemorações envolvendo bolos e velas, com a diferença que não é a vela que se deve assoprar, mas o bolo). Esta parte do ritual chama-se “ágape”.
Todo o processo é um fluxo de energia vindo de todos os convidados para o Magista; usada na evocação e depois a devolução desta energia repartida entre todos os convidados.
Claro que hoje em dia praticamente todo este significado está perdido… presentes viraram meras formalidades, compradas sem nenhuma intenção ou amor ou amizade, mais como obrigação do que como desejo de prosperidade para a pessoa; a comemoração propriamente dita virou uma algazarra e a vela é assoprada no final, para que desejo seja apagado junto com o elemental (que nem chega a ser invocado, já que quem acende a vela não faz a menor idéia do que está fazendo ali ou do por quê está acendendo aquela vela).
O bolo também virou apenas um evento gastronômico, sem nenhuma meditação ou entendimento do que está sendo feito naquele momento entre todas aquelas pessoas ou que energias poderiam ser trabalhadas ali.



Todos os passos preliminares devem ser observados: o banho de purificação, o relaxamento, a ligação com a Terra e a ativação dos Centros de Poder.

A Alta Sacerdotisa e o Alto Sacerdote ajoelham-se diante do altar. Ela à esquerda e ele à direita. A Alta Sacerdotisa põe o cálice com água sobre o pentáculo. Colocando a ponta do seu Athame na água, ela puxa o poder até o Centro do Plexo Solar, transferindo para a lâmina e para a água, dizendo:

"Bendita sejas, criatura da água. Que tu lances fora de ti todas as impurezas e imundícies dos espíritos do mundo do fantasma, em nome de (aqui dizer o nome da Deusa e do Deus) ".

Enquanto a Alta Sacerdotisa segura o cálice de água nas mãos, o Alto Sacerdote põe o prato com o sal sobre o pentáculo. Coloca nele a ponta do seu Athame, eleva o poder, exteriorizando-o pelo Centro do Plexo Solar, carregando o sal com ele, enquanto diz:

"Bendita sejas criatura da Terra. Que as forças negativas sejam afastadas e que todas as forças positivas sejam atraídas, pelo que te abençoo em nome de (o nome da Deusa e do Deus)".

O Alto Sacerdote retira três porções de sal com o Athame e coloca-as na água, visualizando o sal brilhando com a luz branco-azulada. Mergulha a ponta do Athame no cálice com água que a Alta Sacerdotisa segura para ele. Trazendo o poder através do Centro do Plexo Solar ele carrega a água novamente, e diz:

"Sal e água, dentro e fora, espírito e corpo, estão purificados, atraindo todas as energias positivas e afastando todas as forças negativas, em nome de (nome da Deusa e do Deus)."

O Alto Sacerdote coloca o prato com sal na parte norte do Círculo, saindo do mesmo e aguardando do lado de fora com o resto do coven. A Alta Sacerdotisa pega a espada e traça o círculo, a partir do leste, em sentido deosil (movimento da direção do sol, ou o movimento dos ponteiros do relógio). Ela encosta o cabo da espada no Centro Umbilical e exterioriza o poder através dele, transferindo-o para a lâmina da espada. Rodando no Círculo três vezes, ela projeta o poder pela lâmina, formando uma esfera de luz branco-azulado que vai aos poucos se fechando na parte superior e na parte inferior do solo. Enquanto caminha ela diz:

"Que este círculo seja o local de encontro do amor, da alegria, da paz e da verdade; um abrigo contra o mal; uma fronteira entre o mundo dos homens e o domínio dos Poderosos. Que ele preserve e contenha o poder que elevaremos em seu interior, pelo que o abençoo e consagro em nome de (os nomes das divindades)".

Colocando a espada no altar, ela pega o seu Athame e abre uma porta no lado nordeste ou norte do círculo. Cortando a esfera da direita para a esquerda (aqui é preciso ter a vidência para abri-la e para fechá-la posteriormente) fazendo uma porta alta o suficiente para que os membros do coven possam entrar, ela pega novamente o cálice com água consagrada e admite o Alto Sacerdote, borrifando nele a água três vezes. Na Tradição Gardneriana são admitidos no Círculo homens e mulheres alternadamente. Ela roda com ele em sentido deosil, e então ele admite uma mulher e assim por diante. Depois que todos eles tiverem sido introduzidos, a Alta Sacerdotisa fecha a abertura com o Athame, da esquerda para a direita e passando-o depois em zigue-zague pela abertura para fechar o campo energético.

Depois que isso é feito, os responsáveis pelos Quadrantes purificam o Círculo com os quatro elementos, começando pelo leste, rodando nele com incenso, fogo, água e sal. É importante ressaltar que, enquanto o Círculo é purificado pelo sal e pela água, deve-se visualizar todo o perímetro do mesmo brilhando com a luz branco-azulado. Enquanto isso é feito, diz-se:

"Este Círculo está sendo purificado pelo elemento... Este Círculo foi purificado pelo elemento..."

Os membros do coven pegam seus athames, em seguida, voltam-se para o quadrante leste, a Alta Sacerdotisa à esquerda e o Alto Sacerdote à direita dela. Todos devem elevar o poder, trazendo-o para o Centro do Plexo Solar e fazendo-o fluir pelo braço até a lâmina do Athame. Ela diz:

"Salve Poderosos, Guardiães das Torres de Observação do Leste. Chamo-vos neste momento para que testemunhem os ritos e protejam o Círculo."

Então, erguendo os Athames, todos projetam o poder através da lâmina, traçando o pentagrama de invocação no ar. Os que ainda não podem ver o pentagrama devem visualizá-lo ardendo com uma luz branco-azulado. Mentalizar um campo com o sol nascendo no horizonte, o vento agitando o mato. Através do portal aberto, o poder elemental fluirá e será aterrado, fluindo para dentro do Círculo e sendo absorvido através das solas dos pés. Libere o poder deixando-o fluir de volta para o Portal (aqui não me é permitido dar maiores explicações).

Beije a lâmina do Athame e aperte-o contra o peito, sobre o Centro do Plexo Solar. Carregue-o novamente com o poder desse Centro até que a lâmina brilhe.

Virando-se para o sul, o coven repete a invocação:

"Salve poderosos, Guardiães das Torres de Observação do Sul..."

Traçar o pentagrama do mesmo modo e mentalizar uma parede de fogo e chamas saindo do chão, fora dos limites do Círculo. Absorva e libere o poder emanado do portal através das solas dos pés. Beije a lâmina do Athame, coloque-o sobre o Plexo e carregue-o com o poder novamente.

Virando-se para o oeste, repetir a invocação:

"Salve Poderosos, Guardiães das Torres de Observação do Oeste..."

Traçar o pentagrama de invocação, mentalizando uma enorme onda crescendo e arrebentando à sua frente. Ouça o barulho, sinta o cheiro da maresia. Absorva e libere a energia e carregue o seu Athame com o poder.

Virando-se para o norte, o coven repete a invocação:

"Salve Poderosos, Guardiães das Torres de Observação do Norte..."

Repetir todo o processo, mentalizando uma floresta fechada à noite. Sinta o cheiro, ouça os ruídos da mata. Carregue seu Athame com o poder. A Alta Sacerdotisa roda no Círculo até o quadrante sul, e vai até o centro. Levanta o Athame para o céu e depois encosta a ponta no chão ou no caldeirão central, dizendo:

"O Círculo está lançado, e estamos entre os Mundos, além dos limites do tempo, onde dia e noite, vida e morte, tempo e espaço são uma só coisa."

Banimento do Círculo

Normalmente o banimento do círculo é feito a partir do quadrante oeste, para que a sacerdotisa termine diante do altar.

Todos os participantes, munidos de seus Athames, voltam-se para o oeste. A Alta Sacerdotisa diz:

"Agradecemos aos Poderosos do Oeste a sua presença entre nós neste Círculo esta noite (ou dia). Partam em paz e que possamos partir em paz."

Apontando o Athame para o pentagrama flamejante, traça-se o pentagrama de banimento por cima dele, puxando a sua energia de volta para a lâmina do Athame. Aqueles que ainda não podem vê-lo devem visualizar a energia do pentagrama sendo sugada pela lâmina. Trazer o poder de volta até o Centro do Plexo Solar, enquanto a estrela vai se apagando, à medida que o punhal percorre seus contornos.

Deve-se visualizar as ondas do mar retrocedendo e desaparecendo. Beijar a lâmina e encostá-la sobre o Centro do Plexo Solar para que o poder possa fluir para ele totalmente.

Repetir o processo no quadrante sul, dizendo:

"Agradecemos aos Poderosos do Sul a sua presença entre nós neste Círculo esta noite. Partam em paz e que possamos partir em paz."

Trace o pentagrama de banimento, sugando o poder de volta como da vez anterior e visualizando a parede de chamas diminuindo e desaparecendo no chão à sua frente.

Beije a lâmina e deixe o poder ser absorvido pelo Centro do Plexo Solar.

Volte-se para o quadrante leste e diga:

"Agradecemos aos Poderosos do Leste a sua presença entre nós neste Círculo esta noite. Partam em paz e que possamos partir em paz."

Faça o pentagrama de banimento, absorva o poder através da lâmina do Athame, beije-o e encoste-o no Centro do Plexo. Veja como a visualização da floresta aos poucos vai se desvanecendo ou se fundindo com a paisagem em volta.

Importante: deixe o poder que você absorveu escoar para baixo, saindo pelas solas dos seus pés, de volta à Terra. Faça isso durante a despedida, diante dos quadrantes.

Em seguida pegue a espada, vire-se para o oeste, encostando o cabo no Centro Umbilical. Observe onde se encontra a parede do Círculo fure-a com a ponta da espada e absorva energia através da lâmina, diretamente pelo Centro Umbilical. Gire três vezes no Círculo em sentido anti-horário, dizendo:

"Eu desfaço este Círculo de Poder, que foi o local do encontro do amor, da alegria, da paz e da verdade. Eu desfaço este Círculo de Poder."

Observe como o Círculo de energia vai sendo sugado pela espada e pelo Centro de Poder. Ao mesmo tempo, deixe a energia fluir para baixo e sair pelas solas dos pés. Termine no quadrante norte, dirija-se para o centro do Círculo, encoste a ponta da espada no chão e em seguida eleve-a bem alto. Projete o resto de energia que ainda estiver na espada para cima e diga:

"Este Círculo está aberto."

Coloque a espada no altar. Todos devem dar-se as mãos e então rodem no Círculo em sentido anti-horário, cantando:

"O Círculo está aberto,
Mas não foi quebrado.
O amor da Deusa está dentro de nós.
Feliz encontro, feliz partida,
Para um feliz reencontro.

O canto e a dança nesse sentido ajudam a desfazer os resquícios de energia que porventura tenham permanecido.


Livro: "Wicca Gardneriana"
Autor: Mario Martinez

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Advertência

O uso das técnicas, rituais e conhecimentos adquiridos no Além do Físico é de responsabilidade única e exclusivamente sua, caro leitor. Não me responsabilizo, em nenhum nível, pela má utilização de tais ferramentas mágicas e espirituais.

Quem sou eu

Minha foto
Faço Psicologia na USP, tenho 22 anos, sou bruxo, magista e médium, sempre em busca das verdades espirituais. Encontro prazer imenso na leitura, que nos possibilita viajar através de dimensões, espaço e tempo num folhear de páginas.

Postagens populares

Seguidores

Visitas

Qual a sua relação com o Mundo Não-Físico?

Google Analytics Alternative