Além do Físico

"Há mais coisas entre o céu e a terra do que supõe vossa vã filosofia"

Pesquisar






Livro: Poções Mágicas
Autora: Gerina Dunwich

O ritual, exposto a seguir, tanto pode ser realizado por uma Bruxa Solitária como pela Alta Sacerdotisa/ Sacerdote de qualquer coven. Portanto, qualquer que seja a tradição Wicca à qual se é filiado (caso seja seguida alguma), isto não vai fazer a menor diferença, pois a Mãe Terra pertence a todos e necessita desesperadamente de cura, já que está ferida por causa da ignorância, da cobiça, do descuido e do comportamento destrutivo dos seres humanos.

Se, por alguma razão, você quiser fazer qualquer mudança ou acrescentar algum material extra neste ritual, não se acanhe e faça o que tiver que ser feito conforme a sua vontade. Como a sua magia vem do seu coração e nele não deve haver a intenção de magoar ninguém, os seus resultados mágicos só poderão ser os melhores. Aliás, este conselho também se aplica a qualquer feitiço ou ritual, no caso de você achar que deve fazer modificações, pois, obviamente, não há mal algum em "personalizar" um ritual, desde que as fases da Lua sejam observadas e que as substituições correspondam à vibração mágica, à regência planetária, à divindade, e assim por diante.


O Ritual de Cura da Terra pode ser feito em qualquer época. Mas as ocasiões ideais para a sua realização são as dos sabás e esbás mensais (encontros e celebrações do coven nos períodos da Lua Cheia) e ainda durante as assembleias pagãs, no Dia da Terra (22 de abril), no Dia da Mãe Terra (na China, é comemorado anualmente no dia 8 de março), no Aniversário da Terra (26 de outubro) e no dia 28 de fevereiro (o dia sagrado de Gaia, a Deusa Terra). Escolha um lugar, fora de casa, no qual você possa traçar um círculo mágico para realizar o seu ritual. E, se possível, procure trabalhar em alguma área que esteja precisando de cura, como é o caso de uma floresta danificada pela chuva ácida, uma praia suja de óleo, um rio poluído, um parque deteriorado pela ação dos vândalos e pichadores etc. Enfim, realize-o no lugar que o seu coração mandar, mesmo que o local escolhido seja o seu próprio quintal. Mas tome muito cuidado para não se aventurar em nenhuma área que possa colocar a sua integridade física ou a sua vida em perigo (como por exemplo, um lugar tóxico), ou que possa ocasionar a sua prisão por você ter invadido um espaço de acesso proibido.

Depois de selecionar o lugar e a data, inicie o ritual. E, para isso, você vai precisar de um athame consagrado (no ritual da adaga), duas velas votivas de cor verde (com ou sem aroma), varetas de incenso de mirra e de olíbano, caixa de fósforos e mais um caldeirão contendo a Poção de Cura da Terra, que poderá ser encontrada adiante.

Ponha o caldeirão no solo, posicionando uma das velas votivas à esquerda e a outra à direita dele, de tal forma que ele fique entre estas duas velas.

Trace o círculo com o caldeirão no centro, segurando o athame na sua mão de poder e caminhando na direção dos ponteiros do relógio, mas faça com que este movimento circular se inicie pelo Leste e termine no Oeste. E, enquanto estiver traçando o círculo, recite o seguinte encantamento:


"Com perfeito amor e perfeita confiança,
Traço este círculo de poder
E proteção.
Que vá embora toda a negatividade
E que ela seja neutralizada neste lugar.
Que vão embora todas as más influências
E que deste círculo sejam banidas
Com rapidez.
Este é o meu desejo, e que assim seja!".

Agora que já está inteiramente feito o traçado do círculo mágico, você pode dispensar uns poucos minutos para visualizar o "campo de força" que foi criado.

Após ter feito o traçado deste círculo, acenda o incenso e invoque os quatro elementos: Ar, Fogo, Água e Terra. E, para fazer isso, você deve em primeiro lugar se dirigir ao Leste, segurando o seu athame na posição da saudação e chamando ao círculo os espíritos elementais que correspondem a este quadrante:
"Para a torre de vigia do leste
Conclamo os guardiães do ar,
Os espíritos elementais do sol nascente.
Que este traçado de bruxas seja um círculo
Para novos começos, liberação espiritual,
Criação e comunicação.
Abençoado seja!"

Volte-se agora para o Sul e invoque os espíritos elementais que correspondem a este quadrante do círculo mágico:
"Para a torre de vigia do sul
Conclamo os guardiães do fogo,
Os espíritos elementais da energia
E da paixão e transformação.
Que este traçado de bruxas seja
Um círculo de energia positiva
E nos dê o poder de criar
As mudanças positivas em nossa vida
E no mundo.
Abençoado seja!"

Encaminhe-se agora para o Oeste e invoque os espíritos elementais que correspondem a este quadrante do círculo mágico:
"Para a torre de vigia do oeste
Conclamo os elementais da Água,
Os espíritos elementais da emoção,
Da mente psíquica
E do pôr-do-sol.
Que este traçado de bruxas seja um círculo
Glorificado pelo amor que nutrimos
Por nossa grande mãe, a terra.
E que nosso amor seja tão mágico
A ponto de nos unir a ela.
Abençoado seja!"

Dirija-se agora ao Norte e invoque os espíritos elementais que correspondem a este quadrante do círculo mágico:
"Para a torre de vigia do norte
Conclamo os guardiães da terra,
Os espíritos elementais do equilíbrio
E da proteção.
Que este traçado de bruxas seja
Um círculo de poder de cura
Unido pelo nosso respeito à natureza
E pelas nossas preocupações quanto ao destino
Do nosso planeta que corre tanto perigo.
Abençoado seja!"

Acenda então a vela verde que está posicionada à esquerda do caldeirão e diga:
"É com muito amor que eu invoco
O aspecto feminino de todas as coisas,
A energia do Yin
Que se conhece por mil nomes."

Acenda agora a outra vela que está posicionada à direita do caldeirão e diga:
"É com muito amor que invoco
O aspecto masculino de todas as coisas,
A energia do Yang,
Que se conhece por mil nomes."

Agora é hora de segurar o seu athame, direcionando-o para o alto, e ao mesmo tempo o visualize sendo carregado por uma energia de cura que ostenta um facho de luz branca ou dourada enviada pela Deusa. E repita por diversas vezes o encantamento quem vem a seguir, só parando quando sentir no seu corpo um formigamento mágico:
"É com a energia de cura da Deusa que este athame
Está sendo impregnado.
Para não magoar ninguém, pois ele assim é abençoado!"

Logo que você sentir que a energia está toda no athame, mergulhe a sua lâmina dentro da Poção de Cura da Terra que se encontra no interior do caldeirão e diga:
"Ó poção, tu que vais curar a Terra,
Faças nascer a emoção de amar!
E em nome do perfeito amor e perfeita confiança,
Que tu sejas agora energizada com esperança."

Retire o athame do caldeirão e enterre a sua lâmina no solo. Depois pegue o caldeirão com as duas mãos e despeje lentamente a poção em torno do athame que já se encontra no solo, lembrando-se de obedecer ao movimento no sentido deosil e de pedir à Mãe Terra que aceite o seu presente. Por isso, procure expressar todo o seu amor por ela. Coloque em seguida as suas mãos sobre a terra, meditando sobre as diversas formas de ajudá-la no sentido de criar mudanças positivas que beneficiem o planeta.
Procure transmitir a sua energia de maneira que ela flua da palma de sua mão e se introduza na terra. E isto deve ser feito como se você se fundisse com o solo para uma reconexão paulatina com o reino físico. Este gesto é realmente bastante importante e deve ocorrer no término de todos os rituais e feitiços, pois assim você estará não só engajada com a natureza, como se resguardará da experiência que é conhecida como a maré mágica da destruição.
Após esse procedimento, pegue outra vez o athame, segurando-o com a sua mão de poder, e volte-se para o direcionamento correto (Norte/Terra, Oeste/Água, Sul/Fogo, Leste/Ar), recitando o encantamento a seguir com o intuito de despedir-se dos quatro espíritos elementais.

"É com imenso amor que agora
Agradeço e me despeço
Dos guardiães do norte,
Dos guardiães do oeste,
Dos guardiães do sul,
E dos guardiães do leste.
Que vocês não magoem ninguém e retornem em paz
Para os seus devidos lugares na natureza
Até que eu precise invocar de novo
A sua presença e o seu poder.
Abençoados sejam."

Por fim, destrace o círculo, seguindo a direção oposta pela qual ele foi traçado, ou seja, começando no Leste e caminhando widdershins. E, à medida que assim proceder, visualize o círculo desvanecendo fisicamente como se ele se desfizesse e sumisse da sua visão, repetindo as seguintes palavras:
"Na direção contrária eu destraço
Estes confins do espaço sagrado.
Que a Terra se cure e ninguém seja ferido,
Pois o meu trabalho mágico está agora concluído.
Abençoado ele seja pela tríplice lei,
E que a Terra fique feliz e que assim se faça!"

Apague as velas com seus dedos ou faça uso de um abafador de chamas. O Ritual de Cura da Terra está completo.

Poção de Cura da Terra

Para fazer uma Poção de Cura da Terra com ervas, encha um caldeirão de tamanho médio com artemísia, trevo-azedo (um outro nome pra azedinha) e marroio branco. Depois adicione um pouco de sumo de verbena, juntamente com um bocado de pó da raiz seca e das bagas do cipreste (opcional. Despeje duas xícaras de água fervente (de preferência de chuva) sobre as ervas, cubra o caldeirão com uma tampa e deixe a poção em infusão por aproximadamente uma hora e meia.

Todas as ervas que são utilizadas para fazer esta poção estão sob a regência mágica e espiritual do antigo elemento Terra e têm sido usadas por todas as Bruxas no decorrer dos séculos devido aos seus extraordinários poderes de cura.

Entretanto, esta poção não é para ser bebida, pois ela é feita para ser despejada sobre o solo da Terra como uma libação em honra do planeta, isto é, como uma forma de agradecimento e também para oferecer vibrações positivas de cura.

Para que os resultados sejam mais eficazes, prepare esta poção quando a Lua estiver Cheia ou Crescente, pois estas duas fases são épocas nas quais a influência lunar sobre os trabalhos mágicos é favorável ao fortalecimento, ao crescimento e à cura de todos os males.

Fonte: Edain McCoy, “Encantamentos de Amor” - créditos à Nadia Bertolazzi por digitar
Natureza: Não-manipulativo.
Número de itens: 3+
Tempo necessário: cerca de uma hora.
Melhor ocasião: Após escurecer; sexta-feira ou domingo; primeiro de maio, primeiro de agosto, primeiro de novembro ou primeiro de fevereiro.

O filme sensacionalista de 1996, “Jovens Bruxas”, mostrou um feitiço conhecido como “Glamour”. O feitiço permitiu que uma das personagens radicalmente alterasse sua aparência para se parecer com outra pessoa, de forma que ela pudesse atrair a atenção sexual de um rapaz específico. Apesar de Hollywood ter feito com que essa transformação parecesse muito fácil, e por demais óbvia pra qualquer mago experiente, esse tipo de feitiço possui raízes na antiga magia celta.
Quando a primeira leva das tribos européias conhecidas hoje como celtas chegou à Irlanda (cerca de 1500 aC), conta-se que eles encontraram a ilha habitada por uma raça de seres divinos conhecidos como os Tuatha De Danaan, ou as Crianças da Deusa Dana. Os Tuatha eram belas pessoas, louros, altos, bem constituídos, e inegavelmente atraentes. O mais enlouquecedor é que eles pareciam ser capazes de mudar a sua forma física a seu bel-prazer, parecendo ser ainda mais adoráveis quando queriam conseguir o que desejavam dos invasores.
Apesar de os Tuatha terem finalmente perdido a batalha pela Irlanda, eles não se foram nem estão esquecidos. Em vez de abandonar a terra natal, os Tuatha simplesmente foram para baixo da terra e se tornaram a mítica raça de fadas da Irlanda moderna. Desde então existem abundantes lendas sobre fadas no folclore irlandês, as quais, de tempos em tempos, saem de suas vilas subterrâneas, aparecendo em fascinantes disfarces, para colocar humanos desafortunados em situações perigosas.


Esse processo de criar uma ilusão de beleza é conhecido como Glamoury, a raiz da palavra Glamour, e é uma forma pouco conhecida, mas muito potente, de magia celta.
Para criar a sua própria ilusão de Glamour você vai precisar de um espelho que tenha sido atingido pela luz de uma Lua Cheia, e uma vela verde e outra laranja. A cor verde é associada ao planeta Vênus, que governa a beleza pessoal. A cor laranja contém a energia da atração e ajudará a atrair as pessoas à sua volta. Se você realmente não se sintonizar bem com a cor laranja, poderá usar vermelho, que é a cor da paixão e o ajudará a projetar carisma e energia exultante. Você também precisará de algo para usar como um amuleto para disparar a ação do feitiço. Uma gargantilha ou anel de qualquer tipo é o ideal, pois podem ser usados a qualquer hora sem que ninguém considere estranho.
Faça este feitiço à noite, quando as coisas naturalmente parecem distorcidas para o olho humano. Esta conexão irá tornar a idéia de mudar plausível para sua mente subconsciente e fará com que o processo seja mais fácil. Você também precisará estar sozinha e com o quarto o mais escuro possível. Ajuda se você fizer este feitiço voltado para o oeste, a direção tradicional do Outro Mundo irlandês, a morada dos Tuatha.
Coloque o espelho à sua frente e acenda as duas velas, colocando-as atrás de você, formando um triângulo, com o espelho em uma das pontas, as velas nas outras duas pontas e você no centro. Você não quer que a luz das velas seja refletida no espelho. O ideal é ter apenas uma luz suave, vinda de trás, para que você possa ver a si mesmo refletido no espelho. Seu rosto aparecerá ligeiramente no escuro e haverá um halo de luz dourada ao redor de sua cabeça ajudando a obscurecer suas feições, que é exatamente a condição na qual esse feitiço funciona melhor.
Segure o amuleto que você escolheu nas mãos enquanto fecha os olhos e relaxa diante do espelho. Quando você estiver pronta, abra os olhos e olhe de forma suave para o seu reflexo; não se assuste se ele parecer estar em movimento, formando uma nova pessoa. Este será o sinal de que seu feitiço está funcionando.
Sele o feitiço de Glamour colocando o amuleto em seu corpo e repetindo um canto rimado.
Em minha experiência, é raro quando um escritor de livros mágicos escreve uma versão precisa de seus próprios feitiços. Não apenas porque bons feitiços são personalizados demais para funcionarem bem para outras pessoas em sua forma exata, mas também porque deixá-los levemente diferentes do original ajuda a preservar a energia do feitiço. (Lembre-se da regra mágica “Manter o silêncio”!) O feitiço a seguir é o texto exato de um encantamento de Glamour extraído de meu próprio Livro das Sombras que quero oferecer para seu uso pessoal. Usei-o anos atrás em uma fase insegura, e ele foi uma magia muito poderosa para mim. Como é de meu uso pessoal, foi escrito a partir da perspectiva de uma mulher[palavras de Edain McCoy], mas isso não deve impedir que os homens possam modificá-lo para que se adapte a seu uso. A linguagem é forte em algumas partes e pode deixar algumas pessoas desconfortáveis.
Lembre-se do que eu avisei antes: feitiços são apenas esquemas; você não deve hesitar em mudar, adaptar ou modificar estas palavras e imagens para algo que o faça sentir-se confortável. Assim como com quaisquer outras palavras de poder, crie-as cuidadosamente ou você pode terminar obtendo algo que não quer. Uma vez incluí um verso neste feitiço de Glamour sobre ter uma “face jovem” e, em vez de parecer mais jovem, acabei tendo uma crise de acne juvenil. Levei duas semanas para perceber que a causa eram as palavras que eu tinha usado no feitiço. Quando eliminei esse verso do feitiço, os sintomas sumiram.

“Da morada segura, do lago profundo,
Do sono se erguem os Tuatha para o mundo,
Algumas vezes aqui, outras acolá,
O que eu quiser o meu rosto mostrará.

Corpo esguio, firme, atlético, saudável,
Sexy à noite, de dia adorável,
Irresistível a quem o vir,
Todos os olhares há de atrair.

Beleza, carisma, sensualidade,
A atenção de todos roubo de verdade.
Em forma e rosto absoluta perfeição,
Minha imagem jamais perde a sua atração.

Perturbo os pensamentos, danço na mente
Daquele que meu sorriso cativa de repente
Apaixonados por mim, todos ficarão,
Pois o que eu quiser é o que eles verão.

Rosto de uma Deusa, olhos incandescentes,
Cabelos lindos, resplandecentes,
Vindo de um poder cuja chave eu agora posso ter
Este Glamour me torna o que eu sempre quis ser.”

Sempre que quiser projetar essa imagem glamourosa para o mundo, coloque o amuleto e repita as estrofes do feitiço. Após fazer isso, você deverá sentir um fluxo de energia vindo de dentro e chegando à superfície. Curta-a e saiba que você será irresistível para todos os que a virem.
Apague as velas [nunca com um sopro] e cubra-as para proteger a sua energia até que você decida fazer o feitiço novamente. Você pode repeti-lo quantas vezes forem necessárias para reforçar a imagem que você quer projetar. Você também deverá dar suporte ao seu feitiço no mundo físico fazendo tudo o que for prático e confortável para torná-la fisicamente atraente. O feitiço irá reforçar o seu desejo de fazer isso.

 Sendo o paganismo uma forma de religiosidade que enfatiza o aspecto feminino da divindade, trago este texto esclarecedor sobre o papel dominante das mulheres nas civilizações antigas. É pra quem gosta de História!
----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sociedade matriarcal é um termo aplicado às formas ginecocráticas de sociedade, nas quais o papel de liderança e poder é exercido pela mulher e especialmente pelas mães de uma comunidade.  A etimologia  de matriarca deriva do grego mater ou mãe e archein  (arca) ou reinar, governar.
 Apesar de fontes arqueológicas confirmarem amplamente a existência de divindades femininas, a realidade de uma sociedade matriarcal é por vezes contestada. A possível existência foi inicialmente sugerida no século XIX, em 1861, quando o arqueólogo britânico Sir Arthur Evans descobriu a civilização minóica e afirmou tratar-se de uma sociedade matriarcal. Essa afirmaçao foi enfatizada por outras pesquisas arqueológicas quando os pesquisadores da chamada Era do Gelo (40.000 - 10.000 a.C.) descobriram grande quantidade de estátuas femininas conhecidas como vênus e identificaram-nas como representações de deusas-mãe.
  Uma das mais conhecidas representações é a Vênus de Willendorf. Alguns sugerem que a corpulência representa um elevado estatuto social numa sociedade caçadora-recolectora e que, além da óbvia referência à fertilidade, a imagem podia ser também um símbolo de segurança, de sucesso e de bem-estar. Para os antigos, que viviam dependentes da agricultura e dos ciclos da natureza, a fertilidade proveniente da natureza era a idéia mais imediata da divindade generosa que fornecia frutos, e a fertilidade feminina é por isso associada à divindade. Na mitologia antiga são consagrados também os mitos femininos das deusa-mãe, valquírias, erínias, harpias e a deusa da sabedoria, inteligência e da guerra, a deusa Atena,[2] entre muitos outros. As sacerdotisas (Diotima de Mantinea) ou pitonisas, as amazonas ou mulheres guerreiras, matemáticas (Hipátia de Alexandria, Theano) constituem exemplos de figuras femininas da sociedade grega.

A Mulher Pré-História
 A arqueologia registra que no período Paleolítico houve uma religião primitiva baseada no culto à mulher, ao feminino e a associação desta ao poder de dar a vida. Foram descobertas, no abrigo de rochas Cro-Magnon em Les Eyzies, conchas cauris, descritas como "o portal por onde uma criança vem ao mundo" e cobertas por um pigmento de cor ocre vermelho, que simbolizava o sangue, e que estavam intimamente ligados ao ritual de adoração às estatuetas femininas; escavações apresentaram que estas estatuetas eram encontradas muitas vezes numa posição central, em oposição aos símbolos masculinos localizados em posições periféricas ou ladeando as estatuetas femininas.
 O período conhecido como Neolítico foi caracterizado pela começo da História no sentido linear, da sedentarização, pedra polida, formação de clãs e aldeias, domesticação de animais e o desenvolvimento da agricultura pelas mulheres.

A Mulher na História
 Cicládica
 A Civilização cicládica foi uma cultura do começo da Idade do Bronze nas Ilhas Cíclades no Mar Egeu, que durou aproximadamente de 3.000 AC a 2.000 AC. A civilização é mais conhecida pelos ídolos femininos achatados (semelhantes às obras de Hans Arp e Constantin Brâncuşi), elaborados com o puro mármore das ilhas, séculos antes da Civilização minóica em Creta, ao sul. Quando a cultura palaciana de Creta surgiu, as ilhas foram esquecidas, com exceção de Delos, que manteve sua reputação arcaica de santuário durante todo o período da civilização grega clássica (ver Liga de Delos).
 Ilha de Malta
 Pesquisas arqueológicas contemporâneas evidenciam o culto a deidades femininas, as chamadas "damas gordas". Os inúmeros achados de imagens (estatuetas) femininas ao lado de evidências de culto e adoração a essas imagens inspiraram uma tradição inteira de acadêmicos sobre a difusão de uma religião pré-histórica fundamentada no culto à deusa-mãe.
 Celta
 Entre os celtas as mulheres possuíam o mesmo status social dos homens, recebiam treinamento para a guerra, dispunham dos bens herdados da maneira que lhes conviesse, não sofriam discriminação por se divorciar e assumir outro estado civil. Sempre foram descritas como livres e insubmissas aos homens. Boudicca, rainha da tribo dos icenos, liderou uma ofensiva contra os romanos; apesar de derrotada, foi descrita pelo historiador Tácito como uma mulher com enorme capacidade de comando.
 Minóica
 Os afrescos descobertos pela arqueologia e ainda visíveis da civilização minóica revelam a importância conferida à mulher, as quais eram retratadas exercendo funções religiosas, administrativas e políticas. Os minóicos são considerados pacíficos, acreditavam que os deuses governavam tudo e a mulher era vista como fundamental para garantir a pacificação social.
 Amazonas gregas
 Da antiguidade até a era dos descobrimentos marítimos, as amazonas, mulheres guerreiras gregas, ficaram famosas por terem sido grandes guerreiras e líderes sociais, além de os primeiros seres humanos a adestrar cavalos e cavalgá-los. Devido a isso até hoje o termo refere mulheres que montam cavalos ou que cavalgam.
 América do Sul
 As icamiabas eram índias que dominavam a região próxima ao rio Amazonas,riquíssima em ouro. Quando Orellana desceu o rio em busca de ouro, descendo os Andes (em 1541) o rio ainda era chamado de Rio Grande, Mar Dulce ou Rio da Canela, por causa das grandes árvores de canela que existiam ali. A belicosa vitória das icamiabas contra os invasores espanhóis foi tamanha que o fato foi narrado ao rei Carlos V, o qual, inspirado nas antigas guerreiras hititas  ou amazonas, batizou o rio de Amazonas. Amazonas (a, "sem" e mazôn, "centro") é o nome dado pelos gregos às mulheres guerreiras.

FONTE: Wikipedia

* DICA DE FILME: "O Homem de Palha" (1973) e a nova refilmagem, com o nome "O Sacrifício" (2006). A versão original é indiscutivelmente melhor, com claros elementos pagãos e matrifocais. A nova versão traz Nicolas Cage como protagonista e é mais morna.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Advertência

O uso das técnicas, rituais e conhecimentos adquiridos no Além do Físico é de responsabilidade única e exclusivamente sua, caro leitor. Não me responsabilizo, em nenhum nível, pela má utilização de tais ferramentas mágicas e espirituais.

Quem sou eu

Minha foto
Faço Psicologia na USP, tenho 22 anos, sou bruxo, magista e médium, sempre em busca das verdades espirituais. Encontro prazer imenso na leitura, que nos possibilita viajar através de dimensões, espaço e tempo num folhear de páginas.

Postagens populares

Seguidores

Visitas

Qual a sua relação com o Mundo Não-Físico?

Google Analytics Alternative